Header Ads

SEJA BEM VINDOS AO NOSSO SITE! MARCOLÂNDIA EM ALERTA

"Não sou uma má pessoa", diz agressor de ambulante morto no metrô de SP

Ricardo do Nascimento Martins, 21, um dos suspeitos do espancamento que causou a morte do ambulante Luiz Carlos Ruas na estação Pedro 2º do Metrô paulista

O pedreiro Ricardo do Nascimento, 21, que aparece em imagens de vídeo agredindo um ambulante até a morte dentro de uma estação do metrô de São Paulo, disse nesta quarta-feira (28) que está "arrependido" e que não é "uma má pessoa" ao deixar a sede de DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa).
Ele foi preso ontem à noite em Itupeva (interior paulista) por participar da agressão a Luiz Carlos Ruas, 54, na noite de domingo (25) na estação Pedro 2º do metrô, na região central da capital paulista.
Nascimento foi levado do DHPP para a Delpom (Delegacia de Polícia do Metrô), na Barra Funda, para reconhecimento pessoal por testemunhas. Ao menos 14 travestis e moradores de rua, segundo o DHPP, participarão da ação.
Indagado pelo UOL sobre o que diria à viúva de Ruas, o pedreiro respondeu: "Estou arrependido. Também não sou uma má pessoa. E o senhor [Ruas] que estava lá trabalhando também não era, era um cidadão de bem", disse a jornalistas.
Luiz Carlos Ruas, ambulante que foi espancado até a morte após ajudar travestis
Nascimento e o primo que também aparece nas imagens agredindo o ambulante, Alípio Rogerio dos Santos, 26, tiveram a prisão temporária decretada pela Justiça ontem. Santos foi preso na zona leste nesta quarta e também levado ao Delpom, onde o inquérito foi instaurado.
Conforme a investigação, eles agrediram Ruas --vendedor de doces havia 20anos-- porque ele teria tentando defender uma travesti, moradora de rua da região, das agressões dos dois jovens.
À polícia e aos jornalistas, hoje, Nascimento alegou ter ajudado o primo a se defender de uma garrafada que teria sido desferida por Ruas. "Ele [o ambulante] deu uma garrafada na cabeça do meu primo", disse o pedreiro na saída do DHPP.
De acordo com delegado Osvaldo Nico, a versão da garrafada "não convence". Ele informou que Nascimento foi preso em um barraco de um amigo em uma favela em Itupeva (73 km de São Paulo). O local foi cercado, e o pedreiro tentou se esconder atrás de um móvel, segundo o delegado.
"Ontem, um familiar do Ricardo chegou a debochar ao dizer que ele estava 'blindado, no ar-condicionado', 'tomando leite fresco' e que não chegaríamos até ele", comentou o delegado.
Sobre a suposta agressão de Ruas, Nico disse não haver como prová-la --mesmo porque, a polícia não tem imagens de câmeras de segurança do lado de fora da estação.
As imagens internas mostram Ruas apanhando dos dois rapazes com chutes e socos sem que ninguém intervenha. Em nota, ontem, o Metrô informou que não havia seguranças na estação no momento do crime, mas defendeu que a quantidade desses agentes nas estações atende à demanda.
Nascimento será levado ainda hoje ao CDP (Centro de Detenção Provisória) de Pinheiros (zona oeste de SP).
A Polícia Civil prendeu na noite de terça-feira (27) Ricardo do Nascimento Martins, 21, um dos suspeitos do espancamento que causou a morte do ambulante Luiz Carlos Ruas na estação Pedro 2º do Metrô paulista. Ele disse que foi agredido por Ruas, que está "arrependido" e que não é "uma má pessoa"

noticias.uol
Postar um comentário

Postagem em destaque

Casal e executado a tiros dentro de casa em Caldeirão Grande

Um casal foi executado a tiros dentro de casa na cidade de Caldeirão Grande do Piauí, distante 424 km de Teresina. A divulgação das vítimas...

Postagens populares

Tecnologia do Blogger.