Header Ads

SEJA BEM VINDOS AO NOSSO SITE! MARCOLÂNDIA EM ALERTA

Criança obrigada a comer carne humana não é filha de casal assassino, diz polícia

5720dc2160ae6415c695a589dc1ada49.jpg
Bruna Cristina e Isabel Cristina foram levadas para a Colônia Penal de Buíque e Jorge Negromonte para a cadeia pública de Garanhuns
Foto: Reprodução/TV Jornal
Do NE10 Núcleo SJCC/Caruaru
A criança de apenas cinco anos, peça-chave no desfecho que resultou na localização dos corpos de duas mulheres em Garanhuns, no Agreste de Pernambuco, é o novo alvo das investigações da polícia que descobriu na tarde dessa quinta-feira (12), que a menina não é filha do casal.
LEIA TAMBÉM
» Polícia localiza corpos de mulheres esquartejadas
» Depois de saqueada, casa de assassinos é incendiada
» As vozes pediam para gente matar, disse assassina
» Assassino escreve livro com detalhes
» Veja detalhes do livro escrito por assassino
» Terceira mulher já estava marcada para morrer

Para chegar a essa linha de raciocínio, o delegado Wesley Fernando, que comanda as investigações, ouviu os acusados Jorge Negromonte, Isabel Cristina e Jéssica Camila e descobriu que a criança era usada como isca para atrair as vítimas. Em depoimento, eles informaram que ofereciam emprego de babá, justificando as vítimas que precisavam de alguém para cuidar da filha de apenas cinco anos. “Foi assim que aconteceu com Giselly Helena da Silva (desaparecida desde o dia 25 de fevereiro) e Alexandra da Silva Falcão, 20 anos (desaparecida desde o dia 12 de março de 2012)”, adiantou o delegado.

A menina, que também era obrigada a comer a carne das vítimas, numa espécie de ritual macabro, também presenciava as mortes. “Isabel disse que cozinhava a carne e todos comiam, inclusive a criança. Ela – a criança – inclusive foi quem nos mostrou onde os corpos eram enterrados”, disse o delegado Wesley Fernando.
CAPÍTULO Depois que a polícia localizou um livro onde um dos acusados conta com detalhes como matou, esquartejou e enterrou as mulheres no quintal de casa, a polícia ganhou um novo dossiê. Nas 50 páginas do livro dividido em 34 capítulos, o delegado Wesley Fernando identificou a possibilidade de uma criança também estar enterrada no quintal dos acusados, já que o autor/assassino fala no livro sobre o assassinato de uma menina que teria sido enterrada num cômodo da casa, chamado de “Quarto do mal”.

De posse dessas informações, o delegado começou uma nova investigação para identificar quem seria essa criança citada no livro e as buscas levam a crer que essa menina citada no folheto pode ser irmã da criança que eles usavam como isca. “Eles mataram uma e deixaram outra viva para poder atrair as vítimas. As meninas, possivelmente, seriam filhas de uma outra mulher desaparecida em Olinda/PE, que também pode ter sido vítima desse trio”, acredita o delegado.



IDENTIDADE Até o momento, a polícia trabalhava o caso apontando uma das acusadas como sendo “Jessica Camila Pereira da Silva”, mas após buscas na residência do trio, foram encontrados vários documentos, inclusive a identidade de Bruna Cristina Oliveira da Silva (nome verdadeiro da acusada que se passava por Jessica). Para a polícia, Jessica Camila  (desaparecida em Olinda) pode ter sido mais uma vítima dos assassinos e possivelmente mãe das duas crianças (a que estaria enterrada na casa e a outra de cinco anos que ajudou a polícia nesse caso).
PRISÃO Após o depoimento dos três acusados na tarde desta quarta (11) na Delegacia de Garanhuns, eles serão indiciados por crime hediondo, ocultação de cadáver, uso de documento falso e estelionato – por terem usado cartões de crédito das vítimas. Bruna Cristina e Isabel Cristina foram levadas para a Colônia Penal de Buíque e Jorge Negromonte para a cadeia pública de Garanhuns.
Postar um comentário

Postagem em destaque

Marcelo Rezende morre aos 65 anos em São Paulo

Apresentador do "Cidade Alerta" lutava contra um câncer desde abril O jornalista Marcelo Rezende morreu neste sábado (1...

Postagens populares

Tecnologia do Blogger.